10 de maio de 2006

Parceiros de escalada

Salvo se você for um amante da solidão absoluta, quando for para as montanhas, juntamente com a marca do papel higiênico, da corda e do arroz, terá que escolher um companheiro que te acompanhe. Ainda que você não acredite, existem coisas que podem ser mais importantes que a preparação física, o hábito de limpeza ou a capacidade técnica.

Confira abaixo os principais grupos de companheiros expedicionários.

Grupo A: São os que todo o tempo fazem tudo o que há para se fazer. Acordam antes de todos e preparam o café da manhã. Antes da viagem fazem as compras. São os que durante horas proporcionam neve para fabricar água. Enquanto seus companheiros descansam ou dormem, tomam conta do fogareiro para que a barraca não se incendeie ou que a sopa não se derrame. Nunca usam luvas quando a tarefa é necessária deve ser feita com a mão nua. Estão sempre acordados quando o vento desarma a barraca ou quando há que se sair para tirar o excesso de neve do teto. Tiram as fotos, armam os rapéis, arrumam a corda, oferecem balas e água, cevam o chimarrão....

Grupo B: Os preguiçosos com complexo de culpa! Trata-se de pessoas muito honradas. Se não fora por suas limitações morais, poderiam pertencer ao grupo C, mas a maldita consciência atormenta suas vidas. Preferem não fazer nada, mas a desigualdade acaba por lhes perturbar o sono. Então assumem importantes tarefas: pegar um pacote de queijo ralado, arrumar a barraca e ver se está nublado. A este mesmo grupo pertencem os que não fazem nada mas acreditam serem imprescindíveis. Sua função é dar ordem a todo o resto, comodamente deitados...O companheiro haverá armado a barraca, buscado neve, derretido água e cuidado o fogareiro por uma hora (sempre sob as ordens e supervisão do arrogante). A cena está perfeita, então o arrogante dirá satisfeito ao seu laborioso companheiro: Gostou da comidinha que te preparei? (a história é real) .

Grupo C: Os preguiçosos, sem consciência, mas com instinto de sobrevivência. Não fazem nada e não sentem culpa por isso. A única forma de que trabalhem é que sua vida corra perigo. Possuem uma extraordinária faculdade que poderíamos denominar "quarta lei da termodinâmica": todo objeto que num momento determinado seja necessário, estará a respeito deles o dobro do quadrado da distância entre esse objeto e seus companheiros. Seu cantil será o mais profundamente guardado dentro da mochila quando se tenha que recarregar a água. Se eles estão fora da barraca, o trabalho estará dentro e vice versa. Se é necessário tirar as luvas para alguma coisa, eles terão postos 14 pares. São uns modelos perfeitos, saem em todas as fotos. Têm duas posturas típicas: deitados dentro do saco de dormir ou de pé com as mãos no bolso. É muito provável que alguns tenha aprendido a mijar sem usar as mãos. São uns autênticos egoístas.

Grupo D:
Os idealistas da preguiça! Em 1988, enquanto fazíamos uma aproximação à base do cerro Tolosa em Mendoza, presenciei uma cena que exemplifica perfeitamente esse tipo de atitude. Final de tarde, já estabelecidos no lugar de acampamento duas barracas. Havíamos chegado bem sedentos, com muito pouca reserva de água. Na minha barraca não havia problemas, meu companheiro era um típico expoente do grupo A, e se ocupou de quase tudo, incluso de "fazer" água. A outra barraca, integrada por dois expoentes do grupo D, restava-lhes um resto de água num cantil. Como resolveram o problema da sede por esse dia? Fizeram água? Não. Repartiram a água? Tampouco. Preferiram algo parecido à roleta russa. Fizeram um sorteio. O que ganhou tomou a água. O que perdeu foi dormir. São seres estanhos. têm uma lógica diferente. Sua escala de valores e prioridades é extremamente simples: nunca fazem nada. Toda outra questão é acessória, postergável, prescindível. Carregam a menor mochila, são os últimos a acordarem, chegam tarde, não treinam, não sabem nunca para que serve alguma coisa, as vezes não sabem aonde estão. Merecem certo respeito pois são os mais idealistas de todos: sacrificam suas próprias vidas antes à renunciar a sua preguiça. Acabamos por perdoá-los.

Grupo E:
São autos destrutivos. Não são preguiçosos, eles fazem coisas, mas estão atrás de tudo o que possa lhes prejudicar. Carregam todo o tempo objetos pesadíssimos e desnecessários. Regulam mal os Crampões. Nas saídas de alta montanha quebram os óculos. Não tomam água. Derrubam a panela cheia de sopa encima de suas bolsas de dormir. Sempre têm uma extravagante desculpa às suas condutas niilistas. Em alta montanha não o perca de vista, podem não aparecer mais. Convêm que você, antes de sair à alta montanha com um indivíduo desse grupo, aprendas mecânica, primeiros socorros e algo de psicologia. E se você for nervoso, que deus te ajude.

Como funcionam as coisas entre os membros dos distintos grupos?

Os do GRUPO A se dão bem com quase todos, melhor ainda se é com um do GRUPO E. Ao primeiro lhe encantará resolver a extravagante gama de problemas que lhe ira criando um do GRUPO D. Será como um jogo. Estas relações funcionam e podem prolongar-se. Estranhamente pode haver problemas quando se juntam dois do GRUPO A (coisa difícil pois há muito poucos), porque tendem a brigar para fazer as coisas e como as vezes tratam-se de indivíduos perfeccionistas, podem haver alguns "excessos" de ciúmes pelo trabalho e acontecerem alguns roces. O individuo do GRUPO B não se dá bem com ninguém do GRUPO A. como conhece perfeitamente a intimidade da preguiça não vai deixar passar nada aos demais. Rodeados de pessoas do GRUPO C ou D devem assumir o papel de GRUPO A. isto lhes leva a ressentir-se contra o mundo, sentem-se explorados. Um formoso e abundante manancial de problemas...O do GRUPO C somente trabalhará quando estiver esgotado a paciência de seu companheiro e este o ordene que faça algo. Ao do GRUPO D o podem humilhar, ordenar, o podem deixar morrer de fome e sede, que não fará nada. Se misturamos estes dois grupos a coisa fica séria. Uma das probabilidades é que o primeiro termine fazendo as coisas para ele somente, enquanto o outro tenta sobreviver deitado dentro do saco de dormir e sem tirar as mãos! Uma sábio conselho? Identifique alguém do GRUPO A, se apresente e se faça amigo. Depois não o largue!

Agora digam: A que grupo vocês pertencem?

Fonte: http://www.alborde.com.ar/

Nenhum comentário: