21 de junho de 2005

Projeto escalada para todos II

Ano passado, enviei um projeto, denominado Escalada para Todos, ao Fundo Municipal para Desenvolvimento do Esporte e Lazer, da Secretaria de Esportes e Lazer de Caxias do Sul, que foi aprovado e muito bem desenvolvido, em dois bairros do município: Fátima e Reolon. O projeto consistia no seguinte: Proporcionar às crianças e adolescentes dos referidos bairros e comunidade em geral a oportunidade de conhecer e praticar a escalada esportiva, uma das modalidades do montanhismo, através de um muro de escalada montado nos bairros, por um período de quatro dias cada bairro. Durante este período a prática da escalada será livre a qualquer pessoa que queira participar (em horários pré-determinados), de qualquer idade e ainda haverá quatro sessões diárias de alongamentos em horários fixos, aberto a todos que queiram participar. O muro ficará a disposição para que qualquer pessoa possa praticar a escalada exceto no quinto dia, quando haverá uma pequena competição, a nível de bairro, com idade de participação limitada dos 12 aos 20 anos. Os vinte primeiros inscritos ganham a camiseta do projeto. Os dois melhores retrospectos de participação e/ou da competição de cada bairro serão selecionados para participarem de um curso básico de escalada em rocha a ser realizado na última etapa deste projeto. Todas as atividades serão divulgadas, no referido bairro, através de cartazes que continham, além de informações sobre o projeto, um breve histórico das maiores conquistas do montanhismo no mundo, colados uma semana antes de colocar o muro a disposição da comunidade, nos locais de maior circulação de pessoas (mercados, farmácia, bares, centro comunitário, posto de saúde, ginásio de esportes, ...). Este ano enviei novamente o projeto, para outros bairros. No intuito de aprovar um número maior de projetos, a secretaria de esportes propôs a alguns projetos a redução de custos e o projeto Escalada para Todos II, versão 2005, ficou da seguinte forma: Muro de escalada por dois dias inteiros, livre a comunidade, com todo o equipamento fornecido. No terceiro dia, campeonato do bairro. O melhor desempenho de cada bairro ganhará uma escalada em rocha no paredão de Vila Cristina. O cartaz do projeto este ano demonstra alguns dos principais nós utilizados na escalada. Mesmo com a redução de custos eu acredito que o projeto será, novamente, um sucesso. Se possível tentarei montar o muro um dia antes do previsto e disponibilizar um dia a mais de escalada esportiva gratuita. A primeira etapa é de 29 de junho a 2 de julho, em frente ao Centro Comunitário do Bairro Kayser, no antigo Colégio Olga Maria Kayser, venha participar, é legal e é de graça!

Relatório da primeira etapa do projeto “Escalada para Todos II”, de Juliano Perozzo, desenvolvida no Bairro Galópolis.

02 e 03/ 08 Fixação dos cartazes do projeto nos principais pontos do bairro: As duas escolas do bairro, subprefeitura, farmácia, posto de combustível, banco, bares, restaurantes, mercados e lojas.

09/08 Montagem do Muro de Escalada na praça, em frente a Igreja Matriz do bairro Galópolis. Local plano, bem aberto e visível a todos.

10 a 12/08 Prática da escalada esportiva liberada a comunidade em geral. Manhã e tarde. Erick Cristiano Alves Tavares, 11, , Volmir Erlo, Giulia Festugato e Jair Stragliotto, foram destaques e ganharam camiseta do projeto. Felizmente quase todos os participantes realizavam os exercícios de aquecimento e alongamento antes das escaladas e alongamento no final. Mais feliz ainda ficava quando percebia os gemidos de “dor” nos alongamentos, sinal de que realmente se esforçaram na prática da escalada esportiva. A média de participantes chegou a 120 escaladas por dia. Mantendo a fila dos guris com uma média de 12 crianças e a das gurias de 8 crianças. Haviam sempre alguns adultos e adolescentes que, mesmo com insistência dos instrutores, recusavam-se em participar porém, permaneciam por ali observando e se divertindo. A expectativa de público foi excelente pois, a notícia foi espalhando-se e a cada dia havia uma participação maior.

13 /08 O campeonato que desde de os dias anteriores já deixavam intranqüilos de ansiedade os pretendentes juvenis, no sábado manteve as expectativas. Foram vinte e seis inscritos sendo cinco meninas. Do total que escalaram duas rotas eliminatórias, somente 13 passaram para a próxima fase (final) e somente uma menina. O vencedor do campeonato e ganhador da escalada em rocha no paredão de Vila Cristina, após uma super-final onde somente seis se classificaram, foi Vinicius Casagrande, 15,. Somente a noite, após o encerramento do evento, é que alguns adolescentes soltaram-se e decidiram escalar e permanecemos escalando no muro até as 21:30 horas.

A expectativa de público foi superada. Nos quatro dias de atividades foi atingido um público aproximado de 400 pessoas (principalmente no sábado) e uma participação surpreendente com mais de 300 escaladas. Certamente muitas crianças escalavam e logo depois voltavam ao final da fila para escalar de novo, consistindo num sólido número de mais de 60 crianças que participaram ativamente do projeto, durante os quatro dias.

Relatório da primeira etapa do projeto “Escalada para Todos II”, de Juliano Perozzo, desenvolvida no Bairro Kayser.

22 e 23/06 Fixação dos cartazes do projeto nos principais pontos do bairro: As duas escolas do bairro, brigada militar, farmácia, posto de combustível, igrejas, bares, restaurantes, mercados e lojas.

28/06 Montagem do Muro de Escalada em frente ao centro comunitário do bairro Kayser, junto ao núcleo do Vinculação. Local plano e seguro, com muros e portão, que sempre permanecia aberto durante as atividades.

29/06 a 01/07 Prática da escalada esportiva liberada a comunidade em geral. Manhã e tarde. Giulia Vendrame, Luana Ferreira Angonese e Wesley Melo da Silva foram destaques e ganharam camiseta do projeto. Felizmente quase todos os participantes realizavam os exercícios de aquecimento e alongamento antes das escaladas e alongamento no final. Mais feliz ainda ficava quando percebia os gemidos de “dor” nos alongamentos, sinal de que realmente se esforçaram na prática da escalada esportiva. A média de participantes chegou a 120 escaladas por dia. Mantendo a fila dos guris com uma média de 10 crianças e a das gurias de 5 crianças, nos horários de pico (09 as 11 horas e das 14 as 16:30 horas). Haviam sempre alguns adolescentes que, mesmo com insistência dos instrutores, recusavam-se em participar porém, permaneciam por ali observando e se divertindo.

02/07 O campeonato que desde os dias anteriores já deixavam intranqüilos de ansiedade os pretendentes juvenis, no sábado superou as expectativas. Foram trinta e dois inscritos, sendo oito meninas. Do total que escalaram duas rotas eliminatórias, somente 15 passaram para a próxima fase (final), incrivelmente três meninas. O vencedor do campeonato e ganhador da escalada em rocha no paredão de Vila Cristina foi Wesley Melo da Silva, 14 anos.

A expectativa de participação foi superada. Nos quatro dias de atividades foi atingido um público aproximado de 50 pessoas e uma participação surpreendente com mais de 400 escaladas. Certamente muitas crianças escalavam e logo depois voltavam ao final da fila para escalar de novo, consistindo num sólido número de mais de 70 crianças que participaram ativamente do projeto, durante os quatro dias.

Relatório da Escalada em Rocha realizada pelos ganhadores dos campeonatos nos bairros Kayser e Galópolis do Projeto Escalada Para Todos II.

Wesley Melo da Silva, 14 anos, Bairro Kayser e Felipe Martins Martinez, 13 anos, Bairro Galópolis foram os selecionados para realizar a escalada em rocha na rota denominada “Rampão”, no paredão de Vila Cristina, próximo a São João da 4ª Légua.
Obs.: Vinicius Casagrande e Maurício Tessaro, respectivamente 1º e 2º colocados no campeonato do bairro Galópolis, não puderam realizar a escalada assim, deram lugar ao 3º colocado, Felipe Martins Martinez.

A escalada que demorou quase três meses para ser realizada devido a um período intenso de chuvas e instabilidade meteorológica, finalmente pode ser realizada no dia 26 de novembro, sábado. Passei na casa do Instrutor Marcelo e com ele estava o Samir, ex-presidente da FGM – Federação Gaúcha de Montanhismo, com sua caixa preta de metal com um caderno e caneta dentro, também chamado de “livro cume”, para os escaladores que lá chegarem deixarem seus recados, poesias, sensações, etc. Fomos os três pegar o Wesley em sua casa no Bairro Kayser e em seguida o Luis Felipe (Boca) já em Galópolis.

Ao deixarmos o carro avisamos a última família, os Canali, que iríamos deixar o carro por ali e voltaríamos a tardinha. Iniciamos a caminhada trocando idéias com a gurizada, incentivando a preservação ambiental, escutando os pássaros, sentindo os cheiros da mata, do mel, das flores (primavera) e infelizmente também uma retirada rápida da trilha para não sermos literalmente atropelados pelas motocicletas barulhentas, fedorentas e impactantes, ainda bem que não foram muitas. Saímos da trilha principal e iniciamos uma trilha de acesso a base do paredão. Chegando lá haviam dois companheiros, escaladores novatos, Jean e Luis Henrique e logo depois chegou o Alexandre. Dividimos os grupos assim: O Alexandre e eu com o Boca e, O Marcelo e o Samir com o Wesley, o Luis Henrique com o Jean. O grupo do Marcelo foi na frente, o do Luis Henrique foi no meio e o nosso grupo foi por último. Antes de sairmos ainda chegou outro Jean, agora o Horta, e sua namorada mas, eles só iriam escalar os primeiros trechos da via. Seguimos nós, os três grupos de escaladores, subindo os quatros trechos de escalada (enfiadas), até chegar na base de um pequeno teto, onde encerramos a escalada, a uma altura de 120 metros. Pequenos tombos, escorregões e “roubadinhas” descontraíram e alegraram os participantes. Há um último trecho de escalada, de uns oito metros, um pouco mais exigente que o resto da via, que não realizamos por fatores de segurança. Confraternizamos todos com fotos, guloseimas e água. E logo em seguida, após deixarmos nossos inscritos no livro cume recém inaugurado, iniciamos os cuidadosos rapeis. Após quatro rapeis chegamos na base da parede onde o clima de descontração aumentou ao pisarmos em terreno horizontal. Já anoitecendo, percorremos a trilha até o carro.Deixei o Boca em casa e em seguida o Wesley. Ao chegar em casa, recebi recados de pais preocupados. Todos estavam bem, felizes e cansados.
Juliano Perozzo.

* Juliano Perozzo diretor técnico e instrutor habilitado da ACM

Um comentário:

Conheça Á Ti Mesmo disse...

Ola Pessoal,

Parabéns pela iniciativa. Sou escalador e moro em Patos de Minas, aqui na região temos boas pedras para escalar. Eu tenho um muro de escalada em casa já ha bastante tempo onde regularmente os amigos vem escalar. Estou querendo montar um projeto de um muro de escalada comunitária em Patos de Minas para culturalização do esporte na cidade e dar oportunidade para mais pessoas escalarem. Gostaria de pegar mais informações de como montar um projeto desse nível para conseguir os apoios necessários a idealização do mesmo.